Por Frei Sebastião Benito Quaglio Em A Santa Missa Atualizada em 19 FEV 2021 - 14H56

Jejuar é amar

Pixabay
Pixabay


O Frei Sebastião Benito Quaglio (OFMConv.) presidiu hoje a Santa Missa, no Santuário Imaculada Conceição e São Maximiliano Maria Kolbe, em São Bernardo do Campo, São Paulo, e comentou a Primeira Leitura (Is 58,1-9ª) e o Evangelho de hoje (Mt 9,14-15).

Frei Sebastião iniciou a homília ressaltando que algumas palavras de Jesus nos fazem pensar. Os fariseus discípulos de João praticavam o jejum duas vezes por semana e os discípulos de Jesus não.

Quando Ele foi interpelado com isso disse: “por acaso quando o noivo está presente os convidados tem que jejuar? Não”. Até Jesus, antes de iniciar a vida pública jejuou quarenta dias e quarenta noites, mas no final teve fome. Qual o significado disso?

Significa que não é tanto um jejum físico, mas realmente ter uma presença intensa com Deus. Toda a penitência tem que ser fruto de uma experiência. A primeira leitura é muito rica nesse sentido, nós temos que nos identificar com Jesus e entrar em sintonia com Ele e saber que temos que viver do jeito do Filho de Deus.

Não tanto o jejum em si, que deve marcar a nossa vida, mas o controle da nossa existência em favor da fé. Não podemos deixar de repartir um pão, perante um faminto que está na nossa frente.

Não podemos nos recusar a ajudar alguém se temos condições de estender a mão. Portanto, Cristo naquele momento tem que agir dentro de nós, temos que estar em sintonia com Ele, portanto a oração, o jejum tem que ter feito com base no amor, na misericórdia e a na solidariedade.

Assim tudo sentido, senão fica uma coisa vazia. Como já falamos sobre a penitência, sabemos que durante o dia, normalmente, fazemos tantas penitências. A nossa vida é cheia de sacrifícios, de renúncias, de dedicação, mas o jeito que fazemos as coisas, que rezamos, que vivemos, a maneira que nos relacionamos com os outros. Tudo o que fazemos tem que ser do jeito de Jesus Cristo, assim seremos capazes de fazer coisas incríveis.

Durante esta Quaresma vamos procurar estar em sintonia com o jeito de Jesus. Vamos viver isso e fazer tudo o que sabemos que é bom perante todas as situações. Abrir a boca para uma boa palavra e fechar a boca quando necessário. Abrir as mãos para ajudar alguém e fechá-las em oração. Devemos ter um tempo para aprender de Jesus como agir através da oração.

Transcrição Marta Romero


Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Frei Sebastião Benito Quaglio , em A Santa Missa

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.