Por Frei Sebastião Benito Quaglio Em Maria, minha mãe! Atualizada em 11 JUN 2020 - 10H44

O Corpo de Cristo! Amém!

A Palavra de Deus se fez carne e habitou entre nós pelo sim de Maria. Continuamos a resposta dela quando ouvimos "O Corpo de Cristo!" e dizemos "Amém!"




Maria Santíssima gerou em Cristo uma nova humanidade que se manifestou por meio do exemplo de Jesus, criança, jovem e adulto. E se manifestou na pregação de Sua vida pública, nos milagres, nos relacionamentos e no conteúdo da pregação de Jesus. Por meio de gestos e palavras, Ele mostrou aos homens que a humanidade estava sendo agora acolhida para participar da vida em total comunhão com Deus, com a divindade.

Nós encontramos, assim, Nossa Senhora que continua sendo a mãe dessa nova humanidade em Jesus Cristo. Ele se entregou todo a nós na Eucaristia e o recebemos, de certa forma, como Nossa Senhora que o acolheu dizendo: “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a vossa palavra” (Lc 1,38).

A Palavra de Deus se fez carne e habitou entre nós pelo sim de Maria, e nós devemos continuar a resposta dela. Ela levou aquilo tudo muito a sério e quis, realmente, tornar o Verbo Eterno parte da própria vida.

Nós, na Eucaristia, sentimos a presença de Maria que nos ensina, nos ajuda e compartilha com a gente essa presença. Uma presença que envolve toda a nossa vida. A resposta de Maria na anunciação a levou a um compromisso de vida, que a levou a cuidar de Jesus, portanto, da humanidade unida à divindade, até a cruz, quando Jesus a reconheceu Mãe de toda a humanidade.

Quando, na Última Ceia, Jesus disse: “Façam isso em memória de mim” (Lc 22,19), provavelmente Nossa Senhora estava presente e sentiu como ninguém a importância desse sangue, a importância da dimensão universal salvífica da Eucaristia, da memória que se perpetua no tempo para a remissão de todos.

São João Paulo II nos ensinou, por meio da Carta Encíclica Ecclesia de Eucharistia riqueza daquele “amém” que você responde quando alguém coloca a hóstia em suas mãos e diz: “O Corpo de Cristo”. O Papa lembra que esse “amém” é uma  continuidade do “Eis aqui a serva do Senhor” (Lc 1,38), porque, naquele momento, o Verbo Eterno se encarnou nela, e com o seu “amém” Cristo faz parte da sua vida. E lhe digo uma coisa muito importante: precisamos pensar como Maria e ter a consciência de carregar dentro de nós Jesus, aquele pelo qual tudo foi feito. Nossa Senhora faz parte deste mistério e, sobretudo, nos ensina um modo de vivê-lo desde o “sim” ao anjo até o “sim” da cruz. Este é o teu “amém” na Eucaristia.

Que possamos celebrar o Corpus Christi com Maria e como Maria. Sobretudo onde não for possível realizar procissões devido às restrições de saúde.

Que possamos estar em casa, como Maria, reafirmando nossa resposta de amor a Deus, para que Ela cumpra a sua missão de Mãe do Redentor de levar o seu Filho Jesus a todos os corações do mundo.

Leia MaisO que significa seguir Jesus?Escalada da féConhecer, amar e imitarBaixe aqui o seu exemplar da Revista Jovem Mílite de junho e comece a evangelização pelo alvo essencial para que ela transborde: você!

Você pode recebê-la também impressa em sua casa. Basta que você se cadastre: Seja um jovem mílite!

Veja ainda como é fácil realizar uma doação on-line e ser patrocinador da evangelização!

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Frei Sebastião Benito Quaglio , em Maria, minha mãe!

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.