Por Caroline Leandro de Paula Em Tá sabendo?

Mãe de Deus

Conheça o profundo sentido da solenidade da Santa Mãe de Deus



O dogma da Mãe de Deus foi declarado no Concílio de Éfeso, em 431. Na época, a Igreja vivia uma polêmica com uma corrente muito popular segundo a qual Jesus tinha duas naturezas: uma humana e outra divina, mas pouco ligadas uma com a outra. Maria seria mãe apenas de Cristo como homem. Para

combater esta heresia, a Igreja outorgou-lhe o título de Theotokos, expressão grega que significa “Mãe de Deus”. De fato, Jesus tinha duas naturezas, mas que eram ligadas profundamente (chamada união hipostática), sem mistura nem confusão, e que formavam a única pessoa de Jesus Cristo.

Se Maria fosse mãe só da carne e da alma humana de Jesus, não do divino, nós não teríamos um só Senhor como rezamos no credo e não estaríamos salvos.

Quando uma mãe se refere ao seu filho ela não diz: “Eu sou mãe do corpo de José”, por exemplo. Mas sim, “sou mãe do José”, indicando assim ser mãe do corpo e da alma, do todo, mesmo sabendo que ela não é autora da alma dele.

Sendo mãe que gera a cabeça que é Jesus, Ela gera todo o corpo que somos nós, a maternidade divina faz dela também nossa mãe.

E isso é fantástico!




Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Caroline Leandro de Paula, em Tá sabendo?

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.