Por Vladimir Ribeiro Em Brasil

Cresce desigualdade no Brasil

Levantamento mostra que a geração de emprego em 2019 contempla remuneração de até dois salários mínimos

Divulgação
Divulgação
Inflação é mais alta para segmentos de faixas salariais mais baixas


O avanço da informalidade contribui para aumentar a desigualdade de renda no País. A conclusão é de estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

A técnica da diretoria de Macroeconomia do órgão, Maria Andréia Parente, diz que isso é provocado pela combinação de dois movimentos.

O primeiro é que nas faixas altas ocorre um crescimento do salário nominal real, ao contrário das faixas mais baixas. O segundo é que, por conta disso, a inflação está mais alta para os segmentos de faixas baixas, em razão da alta de produtos e serviços, como energia e transporte.

A situação é demonstrada pelo índice de Gini, que monitora a desigualdade de renda em uma escala de zero a um sendo que quanto mais perto de um, maior a desigualdade.

O indicador subiu de 0,514, no quarto trimestre de 2014, para 0,532, no segundo trimestre de 2019, ao medir a renda domiciliar do trabalho.

O levantamento do Ipea mostra que a geração de emprego a longo de 2019 contempla remuneração de até dois salários mínimos. A cima desse valor não há saldo positivo, um sinal do avanço da informalidade.

Da Rádio 2

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Vladimir Ribeiro, em Brasil

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.