“o meu ‘obrigado’ às mulheres converte-se num premente apelo a que, da parte de todos, particularmente dos Estados e das Instituições Internacionais, se faça o que for preciso para devolver à mulher o pleno respeito da sua dignidade e do seu papel”.
Por Paulo Teixeira Em Atualidade

Gratidão à mulher

Atualmente se debate sobre o papel da mulher em diversas áreas e campos de atuação

Na Igreja Católica, além da solidariedade com as mulheres que sofrem, há o debate em relação a um “ministério oficial” para as mulheres. Cabe aos fiéis contribuir com as reflexões e discernir, com os bispos, sobre o caminho da Igreja e o papel de todos os fiéis.




No Documento Conclusivo do Sínodo da Amazônia, os participantes do encontro sugerem ao Papa a ordenação de mulheres como diaconisas. Reconhecem também que “nas muitas consultas realizadas na Amazônia, o papel fundamental da mulher religiosa e leiga na Igreja da Amazônia e em suas comunidades foi reconhecido e enfatizado, devido aos múltiplos serviços prestados” (101). Com ou sem um papel assinado que confirme suas funções, as mulheres dão a vida e animam as comunidades cristãs como catequistas, organizadoras, líderes e, simplesmente e sobretudo, como mães da fé. O Sínodo indica que é necessária uma visão de Igreja em comunhão que abarque esta realidade tão importante estabelecendo “uma sincronia entre a comunhão e a participação, entre a corresponsabilidade e a ministerialidade de todos, dando especial atenção à participação efetiva dos leigos no discernimento e na tomada de decisões, potencializando a participação das mulheres” (92).

Em março deste anos, o Papa Francisco deve publicar uma Exortação Apostólica sobre a Amazônia respondendo às contribuições do Sínodo realizado em 2018. Cabe aos fiéis, com os pastores, aguardar e, posteriormente, interpretar em suas realidades as orientações do Papa. O fato é que as mulheres exercem papeis fundamentais na sociedade, na vida cristã e nas famílias de forma heróica e gratuita. Talvez a doação da mulher sem esperar títulos e recompensas seja uma luz para superar o egoísmo e a busca de poder em diversos campos da sociedade e, por vezes, na Igreja. A elas devem ser dirigidas, no documento do Papa, palavras e atitudes em relação à Amazônia e aos novos caminhos para a evangelização na região.

Ao concluir o Concílio Vaticano II, em 1965, o Papa Paulo VI dirigiu uma mensagem às mulheres. O pontífice proferiu palavras de gratidão e apoio. Diante das transformações que a sociedade passava na década de 1960, o Papa afirmou “a hora vem, a hora chegou, em que a vocação da mulher se realiza em plenitude, a hora em que a mulher adquire na cidade uma influência, um alcance, um poder jamais conseguidos até aqui”. Estas conquistas femininas, segundo o Papa, traziam um desafio e uma importante missão. De forma enfática, o Papa Paulo VI declara a grandiosidade da missão da mulher na Igreja e no mundo ao afirmar que “neste momento em que a humanidade sofre uma tão profunda transformação, as mulheres impregnadas do espírito do Evangelho podem tanto para ajudar a humanidade a não decair. Mulheres de todo o universo, cristãs ou não, vós a quem a vida é confiada neste momento tão grave da história, a vós compete salvar a paz do mundo”.

O papel da mulher foi bem destacado pelo Papa João Paulo II em uma carta dirigida às mulheres em 1995. Nela, o Papa expressa a gratidão: “Obrigado a ti, mulher, pelo simples fato de seres mulher! Com a percepção que é própria da tua feminilidade, enriqueces a compreensão do mundo e contribuis para a verdade plena das relações humanas”. Certamente o Papa expressou um reconhecimento que toda a sociedade precisa ter. São importantes as ocupações de lugares de destaque e a inserção na vida política, mas, à mulher, precisamos dirigir também nossa gratidão de forma constante.

O reconhecimento oficial que podemos dirigir a todas as mulheres é, sem dúvida, a gratidão. Disse o Papa João Paulo II: “o meu ‘obrigado’ às mulheres converte-se num premente apelo a que, da parte de todos, particularmente dos Estados e das Instituições Internacionais, se faça o que for preciso para devolver à mulher o pleno respeito da sua dignidade e do seu papel”.

Ao recordar o dia Internacional da Mulher em 8 de março, as manifestações e celebrações são importantes e devem ser acompanhadas e permeadas pela gratidão. Lutas e conquistas femininas são exemplo para que a sociedade e a Igreja possa superar divisões históricas e culturais. E a gratidão é o mais importante reconhecimento oficial a quem vive de forma extraordinária e dá a vida desde seu ventre até os mais diversos campos de atuação da sociedade.




Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Últimas Velas dos Mílites
Vejas as últimas velas que os Mílites acenderam em nosso portal online
  • Pela saúde espiritual, física e emoci...

    LUCIA

  • que esta vela ilumine os Anjos da Gua...

    antonio

  • Peço oração de cura e libertação de E...

    Vânia

  • Proteção da minha família

    Jonas

Receba todas as novidades

Parabéns, seu cadastro foi efetuado com sucesso!
Você deve receber nossas novidades em breve.

Ops, tivemos um possível erro no cadastro de seu e-mail.
Tente novamente por favor.

Tentar novamente

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Paulo Teixeira, em Atualidade

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.