Nos ícones dos primeiros séculos do cristianismo percebemos que uma das representações de mais destaque sobre a Virgem Maria é a da condutora.
Por Paulo Teixeira Em O Mílite

MARIOLOGIA POPULAR | A condutora

Nos ícones dos primeiros séculos do cristianismo percebemos que uma das representações de mais destaque sobre a Virgem Maria é a da condutora.

Por Paulo Teixeira, jornalista

Nos ícones dos primeiros séculos do cristianismo percebemos que uma das representações de mais destaque sobre a Virgem Maria é a da condutora. A palavra grega hodigitria, que quer dizem aquela que mostra o caminho, é que define este tipo de pintura na qual Nossa Senhora aponta a mão para Jesus para mostrar que Ele é o caminho. 

Cimabue
Cimabue
Majestade da Santa Trindade


Nos representações de Maria percebemos que Ela é representada de forma simples e essencial. É a mãe que segura uma criança, a Mãe de Deus. O olhar de Maria nestes ícones está dirigido a quem olha e sua mão direita aponta Jesus, o verbo de Deus sustentado em Seu braço. A figura de Jesus, embora no tamanho de uma criança, aparece com feições sérias indicando a consciência de Sua missão. Algumas representações trazem o menino segurando um pergaminho simbolizando a mensagem que veio trazer. Muitas vezes, estes quadros retratam também anjos com os instrumentos da paixão de Jesus indicando que a pessoa de Jesus Cristo nasceu com uma missão determinada: a salvação das pessoas.

No período em que se desenvolveu este tipo de representação, antes do século IV quando foi definido o Dogma da maternidade divina, já queria explicar e reafirmar a posição da verdade de fé. Maria é a Mãe de Jesus porque o sustenta na sua missão de salvação do mundo e Maria é mãe também no sentido mais humano e de ternura. Maria não está somente ao lado de Jesus, mas o que os une é um abraço. Muitas representações trazem as mãos de Jesus ao redor do pescoço de Maria, mas mesmo quando o menino está simplesmente no colo da mãe, há uma ligação afetuosa.

Temos estas pinturas, hoje em dia, em quadrinhos e nas paredes das igrejas, contudo, a representação da Mãe de Deus tinha lugar de destaque nas construções antigas. Esta cena de Maria e seu filho era representada na abside das basílicas, um lugar reservado para a representação das grandes manifestações de Deus como a transfiguração de Jesus ou a ressurreição. Isto indica uma visão de cristianismo no qual o mistério se revela nesta cena comum e familiar de mãe e filho e que se revela a nós na dinâmica destas figuras que fixam quem olha a pintura e apontam o caminho que é Jesus.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Últimas Velas dos Mílites
Vejas as últimas velas que os Mílites acenderam em nosso portal online
  • Senhor Jesus Cristo, perdão e miseric...

    maria silvana santos alcanjo pereira

  • PELAS ALMAS DE MEUS TIOS, TIAS E PRIM...

    JOSE KRINKELIS

  • Apresento -vos também Senhor Jesus Cr...

    maria silvana santos alcanjo pereira

  • Senhor nos unja de bênçãos , saúde, p...

    Alessandra Cristina

Receba todas as novidades

Parabéns, seu cadastro foi efetuado com sucesso!
Você deve receber nossas novidades em breve.

Ops, tivemos um possível erro no cadastro de seu e-mail.
Tente novamente por favor.

Tentar novamente

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Paulo Teixeira, em O Mílite

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.