Nos ícones dos primeiros séculos do cristianismo percebemos que uma das representações de mais destaque sobre a Virgem Maria é a da condutora.
Por Paulo Teixeira Em O Mílite

MARIOLOGIA POPULAR | A condutora

Nos ícones dos primeiros séculos do cristianismo percebemos que uma das representações de mais destaque sobre a Virgem Maria é a da condutora.

Por Paulo Teixeira, jornalista

Nos ícones dos primeiros séculos do cristianismo percebemos que uma das representações de mais destaque sobre a Virgem Maria é a da condutora. A palavra grega hodigitria, que quer dizem aquela que mostra o caminho, é que define este tipo de pintura na qual Nossa Senhora aponta a mão para Jesus para mostrar que Ele é o caminho. 

Cimabue
Cimabue
Majestade da Santa Trindade


Nos representações de Maria percebemos que Ela é representada de forma simples e essencial. É a mãe que segura uma criança, a Mãe de Deus. O olhar de Maria nestes ícones está dirigido a quem olha e sua mão direita aponta Jesus, o verbo de Deus sustentado em Seu braço. A figura de Jesus, embora no tamanho de uma criança, aparece com feições sérias indicando a consciência de Sua missão. Algumas representações trazem o menino segurando um pergaminho simbolizando a mensagem que veio trazer. Muitas vezes, estes quadros retratam também anjos com os instrumentos da paixão de Jesus indicando que a pessoa de Jesus Cristo nasceu com uma missão determinada: a salvação das pessoas.

No período em que se desenvolveu este tipo de representação, antes do século IV quando foi definido o Dogma da maternidade divina, já queria explicar e reafirmar a posição da verdade de fé. Maria é a Mãe de Jesus porque o sustenta na sua missão de salvação do mundo e Maria é mãe também no sentido mais humano e de ternura. Maria não está somente ao lado de Jesus, mas o que os une é um abraço. Muitas representações trazem as mãos de Jesus ao redor do pescoço de Maria, mas mesmo quando o menino está simplesmente no colo da mãe, há uma ligação afetuosa.

Temos estas pinturas, hoje em dia, em quadrinhos e nas paredes das igrejas, contudo, a representação da Mãe de Deus tinha lugar de destaque nas construções antigas. Esta cena de Maria e seu filho era representada na abside das basílicas, um lugar reservado para a representação das grandes manifestações de Deus como a transfiguração de Jesus ou a ressurreição. Isto indica uma visão de cristianismo no qual o mistério se revela nesta cena comum e familiar de mãe e filho e que se revela a nós na dinâmica destas figuras que fixam quem olha a pintura e apontam o caminho que é Jesus.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Últimas Velas dos Mílites
Vejas as últimas velas que os Mílites acenderam em nosso portal online
  • Por um emprego...

    Sandra

  • Pela minha família saúde união pela v...

    margarida

  • Senhor nos unja de bênçãos , saúde, p...

    Alessandra Cristina

  • IMACULADA PROTEJA O PRESIDENTE LULA

    LUCIENE BRITO DE CARVALHO

Receba todas as novidades

Parabéns, seu cadastro foi efetuado com sucesso!
Você deve receber nossas novidades em breve.

Ops, tivemos um possível erro no cadastro de seu e-mail.
Tente novamente por favor.

Tentar novamente

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Paulo Teixeira, em O Mílite

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.