Por Paulo Teixeira Em Mariologia Popular

Maria no Mistério de Cristo e da Igreja

Maria é uma figura concreta no mistério salvífico, com disposição atuante na vida da comunidade cristã



Na celebração dos mistérios de Cristo, a Igreja venera com especial amor a Mãe de Deus que está unida à obra salvífica de seu Filho. No ano litúrgico, a Igreja inseriu ainda as memórias dos mártires e dos outros Santos, que “cantam nos céus o perfeito louvor de Deus e intercedem em nosso favor” (SC 130-104). Embora Maria seja figura importante na história da salvação, seu lugar na liturgia deve ser sempre orientado de forma a apontar o mistério maior do próprio Cristo. O culto a Maria, Mãe de Deus, que se foi desenvolvendo ao longo dos séculos tanto no Ocidente quanto no Oriente, não deve desvirtuar a mensagem e o fundamento da celebração litúrgica, que celebra o mistério pascal. Como a veneração de Maria está muito presente nas celebrações católicas, é necessária uma profunda compreensão para que a prática da piedade litúrgica não impeça o equilíbrio entre o mistério pascal e suas manifestações na tradição cristã. O culto Mariano precisa ser apresentado dentro do mistério de Cristo, celebrado na Igreja, fazendo com que a liturgia se enriqueça no culto à Virgem Maria.

“A liturgia cristã esclarece e diferencia o culto a Maria e aos Santos do culto de adoração ao mistério de Cristo. No culto, Cristo é a figura central, mas Maria e os santos estão associados ao mistério crístico. Os santos participam como instrumentos divinos na história da salvação, englobando sua participação ativa no mistério de Cristo e no ministério de sua Igreja”(Catecismo da Igreja Católica 1173).

O culto à Maria é assumido pela Igreja em quatro características de culto:

Trinitária: o culto leva a participar do mistério da Trindade, vivendo em comunhão com Deus Pai, pelo Filho no Espírito Santo, exemplo de diálogo e ação de graças ao Deus Trino;

Cristológica: inserida na totalidade do mistério de Cristo, Maria participa da história da salvação, onde a centralidade é o Cristo;

Pneumatológica: Maria, aberta à ação do Espírito se fez serva do projeto de Deus na humanidade, deixando-se iluminar pelo Espírito Santo;

Eclesial: a santidade de Maria serve de laços entre a humanidade e a comunidade eclesial no compromisso do anúncio da Boa Nova.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Paulo Teixeira, em Mariologia Popular

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.