“Maria conservava todas estas palavras meditando-as no seu coração”
Por Paulo Teixeira Em O Caminho é Jesus

Maria, mulher de fé

“Maria conservava todas estas palavras meditando-as no seu coração”

Por Padre José Alem, missionário claretiano

Maria está presente no momento da fundação da comunidade cristã depois da morte e da ressurreição de Jesus (At 1, 13-14). Um grupo de discípulos está reunido à espera da vinda do Espírito Santo e Maria está com eles. Está junto com o grupo dos apóstolos, das mulheres, dos “irmãos” de Jesus, os seus discípulos. Maria atinge o cume de sua trajetória de fé integrando-se à comunidade dos que creem e seguem o ressuscitado, formando assim a Igreja. Lucas, autor do texto, mostra que Maria é uma presença ativa na comunidade desde o início e sua atitude de fé presente na comunidade é coerente com toda sua trajetória de fé desde que recebeu o anúncio de que seria a mãe do Messias. 




O “seguimento de Jesus” e o “discipulado” adquirem uma nova configuração depois da Páscoa. A partir desse evento não se fala mais de seguidores de Jesus, mas de fiéis, de crentes. “O número dos crentes crescia cada dia, uma multidão de homens e mulheres” (At 5,14). É nessa comunidade de pessoas que Lucas apresenta Maria no seu Evangelho.

Maria foi antes de tudo uma mulher de fé. Uma crente. Alguém que crê verdadeiramente. Lucas apresenta Maria como a mulher que mesmo sem compreender confia em Deus: “Maria conservava todas estas palavras meditando-as no seu coração” (Lc 2,19); “sua mãe conservava todas estas palavras no seu coração” (Lc 2,51). Essas palavras indicam a fidelidade de Maria à maior e mais profunda vontade de Deus: “Amarás ao Senhor teu Deus com todo teu coração, com toda tua alma, com todas as tuas forças”.

Maria é a mulher possuída pelo Espírito Santo, Aquele mesmo Espírito que Jesus proclamou dizendo: “O Espírito do Senhor repousa sobre mim” (Lc 4,18). Esse é o Espírito que inspirou Isabel a dizer a Maria: “Bem aventurada és tu que acreditaste” (Lc 1,45).

Uma mulher de fé é o que revela a vida e a missão de Maria. Ela é alguém que crê, crê como se deve crer alguém que de fato serve ao Senhor. Em Maria começa o novo modelo de crente, a nova maneira de entender e viver a fé, a fé que nasce da Nova Aliança. Porque Maria aceitou ser mãe pela fé, se tornou mãe do Messias. Antes ela acreditou depois se tornou mãe em consequência da fé.

O fato de Maria ser mãe de Jesus teve pressupostos e efeitos na sua vida pessoal. A partir da fé de Maria inicia-se nova etapa no mistério da salvação. Nesse mesmo instante nasce o povo da nova aliança, a Igreja. Por isso Maria é chamada “mãe da Igreja”, o próprio modelo da Igreja. Tudo graças à sua fé. Fé que reconstrói a aliança com Deus, que põe Deus acima de tudo, vê na sua vontade o caminho da liberdade e do amor. Fé que deixa de ser apenas compreensão para ser vida nova em Cristo, um novo modo de pensar, de sentir, de agir.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Últimas Velas dos Mílites
Vejas as últimas velas que os Mílites acenderam em nosso portal online
  • minha inyencoes pra melhora a siyuaçã...

    benilda

  • Salve Maria Imaculada!! Minha mae Mar...

    Lilian Galina

  • Peço pela visão da minha mãe que está...

    MARIA DE LOURDES MARIM DOS SANTOS

  • DEUS TODO PODEROSO JESUS CRISTO PARÁC...

    ELAINE

Receba todas as novidades

Parabéns, seu cadastro foi efetuado com sucesso!
Você deve receber nossas novidades em breve.

Ops, tivemos um possível erro no cadastro de seu e-mail.
Tente novamente por favor.

Tentar novamente

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Paulo Teixeira, em O Caminho é Jesus

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.