Por Dom Pedro Conti, bispo de Macapá, no Amapá Em Colunistas Atualizada em 15 JUL 2020 - 14H52

O atalho

Neste último domingo, ouvimos uma parábola de Jesus, que suscitou imediatamente a curiosidade dos discípulos que queriam saber por que Ele não usava discursos eloquentes e claros


G. Piotto
G. Piotto


Um pai acompanhou seu filho à Universidade. Quando viu o plano dos estudos meneou a cabeça em sinal de desaprovação. Conseguiu um encontro com o Reitor da Universidade e lhe perguntou: Meu filho deve seguir este programa? Não seria possível encurtar? Ele quer acabar logo. O Reitor respondeu: Com certeza seu filho pode seguir um Curso mais breve. Tudo depende daquilo que ele quer ser. Quando Deus quer fazer crescer um carvalho, demora 20 anos. Mas gasta só dois meses para fazer crescer uma abóbora.

Uma estorinha “da roça” para introduzir a parábola de abertura do capítulo 13 do Evangelho de Mateus, a bem conhecida parábola do semeador que encontramos neste 15º Domingo do Tempo Comum. Esta parábola é toda especial. É a primeira do “discurso em parábolas” e suscita imediatamente a curiosidade dos discípulos que querem saber por que Jesus ensina desta forma e não com discursos eloquentes e claros.

Mais do que a explicação da parábola em si, que também encontramos no Evangelho deste domingo, é, justamente, a resposta de Jesus à pergunta dos discípulos que deve chamar a nossa atenção. Segundo Ele, as parábolas tem uma mensagem, digamos, escondida; são “os mistérios do Reino dos Céus”. No entanto, a alguns é dado entendê-las (Felizes sois vós... Mt 13,16) e a outros não. Seria esta compreensão, então, um privilégio, uma discriminação ou outra coisa? Não.

A explicação de Jesus é clara: não basta ter ouvidos para escutar e nem olhos para ver. A condição necessária para a compreensão das parábolas é ter, antes, um coração sensível e aberto. As parábolas não são enigmas incompreensíveis. O que falta é a vontade de se deixar questionar por elas e, portanto, a indisponibilidade a se converter e ser curados.

O que Jesus disse vale para sempre e para todos, porque vale para toda a Palavra de Deus! Não basta “ler” as parábolas – ou a Bíblia toda – para que elas consigam alcançar o mais profundo da nossa vida. Precisa algo mais. As parábolas, como os gestos, os ensinamentos e, sobretudo, a própria pessoa de Jesus, “revelam” a novidade surpreendente do Reino. Nele já está presente o Reino. Os “pequeninos” conseguem ver isso, mas não os “sábios e entendidos”, como dizia o Evangelho de domingo passado.

A maior verdade que Deus quis nos fazer conhecer, que afinal é o Seu amor sem limites, é simples e pequena, como uma semente e, de muitas formas, é oferecida a todos. A semente que o semeador espalha, a Palavra, o anúncio do Reino, se não vem logo roubada, é fecunda, brota sempre, também em condições adversas. No entanto, só pode produzir fruto quando os terrenos, que, afinal, somos nós, a humanidade, a defendemos, cuidamos dela, nos dispomos a deixá-la crescer.

Pela parábola, aprendemos que o semeador não olha para os terrenos antes de jogar a semente. Ele a espalha assim mesmo, com abundância e até desperdício, se temos uma visão gananciosa. Mas ao Pai e ao Filho, que ele enviou, não interessa poupar a semente, interessa alcançar os terrenos, as diferentes circunstâncias da vida, a diversidade das pessoas e dos seus corações.

Somos sempre nós que reagimos, de tantas formas diferentes, à fartura da Palavra que nos é oferecida. Provavelmente todos nós já temos experimentado o entusiasmo que dura pouco, o medo das críticas e das zombarias, o sufoco das preocupações deste mundo.Leia MaisA escada da oraçãoSerá que o fim da vida é quando ela termina?Amar a Igreja!Medo e engano

Nem precisa incomodar o Maligno para admitir quanto pouco fica das Missas, pregações e rezas das quais participamos. ]

Continuamos o nosso caminho, indiferentes, como se tivéssemos ouvido e visto nada. Simplesmente distraídos ou superficiais. Graças a Deus, o “semeador” nunca desiste. Manda uma mensagem atrás da outra, na esperança que um dia possamos produzir algum fruto.

Pode ser o simples “frango de rama”, como o nosso povo chama a abóbora, mas, que bom, quando a semente cresce até ser uma árvore frondosa. Mas esta já é outra parábola (Mt 13,31-32).                                           

Ouça a Rádio Imaculada e encontre a sabedoria daqueles que desejam comunicar a Boa-Nova pelas ondas do rádio AM e FM, e pela internet (portal, aplicativo e redes sociais). Venha fazer parte desta família que fala para pessoas de todas as idades procurando lembrar que o Evangelho deve estar sempre em primeiro lugar!

Fonte: Rádio Imaculada

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Dom Pedro Conti, bispo de Macapá, no Amapá, em Colunistas

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.