Por Túlia Savela Em A Igreja no Rádio Atualizada em 23 AGO 2019 - 11H41

Salto em distância

Como ter a Salvação?



Salto em distância

Um jovem perguntou a um eremita sentado fora da sua casinha:

– Tem um jeito certo para chegar à felicidade e ao paraíso?

– Tem, respondeu o homem. Mas é somente para os atletas.

– Maravilhoso, disse o jovem. Pode contar comigo. Não está vendo os meus músculos? Estou bem treinado.

– Muito bem, continuou o eremita. Vamos ver quanto longe você pode pular. Este é o ponto de partida e este é o primeiro metro. Juntarei 50 centímetros a cada bem que você achar importante para a sua vida. Com certeza tem um carro?

– Claro!

– E uma casa bonita?

– Sim, foi herança do meu pai.

– Imagino que tenha ao menos uma TV, um smartphone e um tablet.

– Correto.

O eremita fez mais algumas perguntas e quando acabou a marca final tinha alcançado nove metros e meio.

– Agora, venha lá de trás com velocidade e pule.

– Impossível, sou um atleta, mas não o recordista mundial!, disse o jovem.

– Mas você não quer chegar ao paraíso um dia? Eu lhe mostrei o jeito mais seguro.

– Quero!, continuou o jovem. Mas o que tem a ver o paraíso com o salto em distância?

– Você não entendeu, retomou o eremita. Quanto mais coisas uma pessoa tem, mais longe tem que pular! É tão simples. Ao contrário, para quem não tem bens, basta dar um passo e já está dentro do paraíso.

No Evangelho deste domingo, “alguém” fez a Jesus uma pergunta semelhante àquela da estorinha que acabei de apresentar. Queriam saber se tinha alguma garantia para participar da salvação. A resposta de Jesus é simplesmente “não”. Porque a salvação, entendida como visão beatífica ou o estar na paz e na felicidade de Deus, sempre será somente um dom dele mesmo. Não existem nem atalhos e nem privilégios. Raça, povo ou religião não garantem a entrada.

O sermos conhecidos pelo Pai dependerá somente da semelhança que os filhos terão com Ele, como com qualquer paternidade e maternidade. Esta semelhança só será possível através do seguimento arriscado e generoso do Filho primogênito, “imagem (visível) do Deus invisível” (Cl 1,15).

Se o DNA de Deus é o amor perfeito, os filhos verdadeiros serão aqueles que na vida souberam também amar. Quem praticou a injustiça, o contrário do amor, desfigurou a imagem de Deus que devia resplandecer nele. Será irreconhecível!

E a porta estreita? Se o “paraíso”, salvação-felicidade, é um dom, por que Jesus diz para se fazer todo o esforço possível para entrar nele? Estas palavras podem nos dar a impressão de que a entrada não seja somente um dom, mas sim uma conquista de alguns. Um merecimento ou um direito então? Também não é verdade.

O “esforço” não é garantia de entrada, é só o sinal do nosso compromisso, porque, enfim, encontramos o tesouro para o qual estamos dispostos a deixar todo o resto. Mas ainda temos uma dúvida: por que a porta é estreita? Será que Deus quer atrapalhar a nossa entrada? Não deveria Ele ser mais feliz se todos conseguissem entrar no céu? Não é culpa de Deus, Ele é amoroso com todos e pronto a perdoar até o bom ladrão que morre na cruz com o nome de Jesus nos lábios. Eu penso que a porta é estreita por culpa nossa e não de Deus. Abarrotamos na frente dela tantas coisas, materiais e não, que a bendita porta quase se torna invisível.

Primeiro colocamos o dinheiro e as riquezas deste mundo; são estes os bens que procuramos com grande esforço a vida inteira. Depois, nós mesmos estamos lá na frente com o orgulho que nos torna cegos e nos faz duvidar da bondade do Pai. Pensamos que não precisamos dele, que o paraíso seja imaginação de fracassados deste mundo e que não tem nada que valha a pena depois que esta vida passar.

Parece que hoje a porta do céu, larga ou estreita, interesse a poucos; temos coisas mais palpáveis para alcançar com as nossas forças, com a nossa inteligência e esperteza. Por que gastar energias para alcançar os bens do alto? Assim virão outros e passarão na frente. Talvez porque mais simples e pobres, talvez só por terem esperado e acreditado numa Vida plena e não somente naquela passageira. Bem-aventurados os puros no coração, pois eles verão a Deus! Palavra de Jesus (Mt 5,8).

Por Dom Pedro José Conti, bispo de Macapá, no Amapá.


Salto em distância

21° Domingo do Tempo Comum


Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Túlia Savela, em A Igreja no Rádio

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.