A família é o sacrário mais belo onde se vive o amor em todas as dimensões
Por Paulo Teixeira Em Família Feliz Atualizada em 19 JUL 2019 - 08H45

Família é lugar do perdão

A família é o sacrário mais belo onde se vive o amor em todas as dimensões

Por Frei Patrício Sciadini, carmelita descalço

Rawpixel
Rawpixel


Como é maravilhoso que um homem e uma mulher, movidos pelo amor que vem de Deus, decidam viver juntos para sempre! São como óleo perfumado que se espalha pela casa toda e, quando é possível, gera filhos e filhas que são a verdadeira alegria dos que se amam. Viver juntos é festa, mas nenhuma festa é livre de tempestade e turbulência que nascem da nossa fragilidade humana e que devem ser superadas no dia a dia pela força do amor. Não é difícil encontrar pessoas que dizem com certa angústia: “Eu perdoo, mas não consigo esquecer!”. Esta afirmação é verdadeira e é bom não esquecer. Triste é a pessoa que esquece porque significa que sua memória está fragilizada. 

E mesmo Deus não pode esquecer os nossos pecados, mas Ele nos ensina, como dizem o salmista e os profetas, que não devemos levar em consideração os erros dos nossos irmãos e irmãs. A família é o sacrário mais belo onde se vive o amor em todas as dimensões: humano, divino, fraterno, conjugal; onde se tem a experiência da beleza do amor que, atravessando suas noites e vales escuros, vai se radicalizando e amadurece frutos abundantes de transparência e de reciprocidade. Não são grandes coisas que devem ser perdoadas, muitas vezes são o esfriamento da delicadeza, a insensibilidade e a falta de cuidado, para que a chama do amor recíproco seja alimentada não com lenha dos sentimentos, mas sim com o verdadeiro amor oblativo.

O perdão não é sentimento, mas sim um ato de fé e de amor, alimentado pela esperança de que o outro, sentindo-se amado e compreendido, não volte mais a errar. Assim age o nosso Deus conosco. É maravilhoso ver nos evangelhos que o perdão de Deus é sempre carregado de gestos concretos que consagram o verdadeiro amor. Como não lembrar neste momento da parábola dos dois irmãos (cf. Lc 15)? O pai espera que o filho volte e quando o vê aproximando-se, corre ao seu encontro, o abraça e o cobre de beijos. Veste-o com túnica nova, recoloca sandálias aos pés e lhe devolve o anel do poder, da confiança e da vida. Assim, na família pode acontecer que alguém, às vezes, movido pela ânsia e pelo desejo de uma liberdade mal-entendida e por um gesto de rebeldia, vá embora da casa, vá vagando por aí... mas ele deseja voltar e sempre voltará quando souber que alguém, todos os dias, sobe ao terraço para ver se está chegando. O perdão-amor nunca perde a esperança de que o outro volte e fique para sempre. E quando o vê, corre ao seu encontro, o abraça, beija e faz festa.

A família é coração aberto onde se sente saudade dos que se vão e se espera que eles voltem para reatar os laços rompidos pelo desamor. Nenhum coração na família pode excluir ninguém, mas cabe sempre quem volta; e nenhum lugar pode estar vazio, sempre precisa preparar na mesa o prato, o lugar de quem falta, porque pode ser que, quando menos esperamos, ele esteja voltando para pedir perdão e fazer a festa do encontro.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Últimas Velas dos Mílites
Vejas as últimas velas que os Mílites acenderam em nosso portal online
  • minha inyencoes pra melhora a siyuaçã...

    benilda

  • Salve Maria Imaculada!! Minha mae Mar...

    Lilian Galina

  • Peço pela visão da minha mãe que está...

    MARIA DE LOURDES MARIM DOS SANTOS

  • DEUS TODO PODEROSO JESUS CRISTO PARÁC...

    ELAINE

Receba todas as novidades

Parabéns, seu cadastro foi efetuado com sucesso!
Você deve receber nossas novidades em breve.

Ops, tivemos um possível erro no cadastro de seu e-mail.
Tente novamente por favor.

Tentar novamente

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Paulo Teixeira, em Família Feliz

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.