Por Jorge Lorente Em Evangelho Dominical

26º Domingo do Tempo Comum

“Depois de dizer: ‘não quero’, arrependeu-se e foi trabalhar!” (Mt 21, 28-32)



Disse Jesus: O que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Foi até o mais velho e disse: ‘Filho, vai hoje trabalhar na vinha’. Ele, porém, respondeu: ‘Não quero ir’. Mas depois se arrependeu e foi. Foi, então, até o outro filho e falou a mesma coisa, e ele respondeu: ‘Vou, senhor’. Mas não foi. Qual dos dois fez a vontade do pai?” “O primeiro”, responderam eles. Jesus lhes disse: “Eu vos garanto que os cobradores de impostos e as prostitutas entram antes no reino de Deus do que vós. Porque João veio a vós no caminho da justiça e não acreditastes nele, ao passo que os cobradores de impostos e as prostitutas acreditaram. E vós, vendo isso, nem assim vos arrependestes para crerdes nele.

COMENTÁRIO

As palavras do evangelho de hoje não deixam a menor dúvida, elas deixam claro que só entra no Reino Celeste quem faz a vontade de Deus. “Nem todo aquele que diz Senhor, Senhor, entrará no reino dos céus; mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está no céu”. Ou seja, a oração precisa ser complementada com a ação.

Os dois jovens da parábola são cópias perfeitas de nós mesmos. Cópia moderna, em cores, sem tirar e, nem por. Assemelham-se demais conosco. Quantas vezes dizemos sim e nada fazemos. Outras vezes, negamos nossa ajuda, porém o remorso bate no peito, alguma coisa “cutuca” o coração e, de repente, lá estamos nós executando a tarefa.

Essa coisa que mexe com o coração é a Palavra de Deus, é o chamado que nem sempre estamos dispostos a ouvir ou, se ouvimos, dizemos sim sem convicção, sem vibração e sem nada entender. Resultado, nada é feito.

Nesta parábola Jesus vai direto ao assunto, deixa bem claro que deve ser feita a vontade de Deus, e não a nossa. Ensina também que não basta falar, tem que fazer. Pouco ou nada vale o discurso inflamado e vazio. Para Deus, não existe oração sem ação.

Este exemplo de Jesus me faz lembrar daquele fariseu ao pé do altar, gritando bem alto e louvando a Deus por não ser um pecador como os outros que se encontravam no templo. Quantas vezes assumimos essa postura. Batemos no peito, exaltamos a nossa disponibilidade para jejuar e só!

O jejum, a abstinência, os sacrifícios e as orações, complementam-se através das obras. Nada tem valor se não estiver acompanhado do gesto concreto. Dizer sim e não cumprir é traição; é pior do que dizer não!

Sim é sim, não é não. Quem diz sim e não cumpre, está comprometendo a execução da tarefa. Está atrasando a construção do Reino. A obra não pode esperar. É preciso decidir-se.

Quem se decide por Jesus tem que estar empenhado em cumprir o Plano de Deus. Cumprir a vontade do Pai é colocar o fazer acima do dizer. É muito mais do que cumprir rituais e recitar longas orações. Cumprir a vontade do Pai é cumprir o mandamento do amor.

Amar é dizer não ao egoísmo e à prepotência. Certamente a vontade do Pai é poder encontrar em cada um dos seus filhos a obediência e a disponibilidade.

Acredito que a vontade do Pai é que nessa parábola exista mais um filho. Deus quer que sejamos nós esse terceiro filho. Um filho diferente desses dois. Não quer que sejamos aquele que diz sim, e não vai, nem aquele que diz não, porém se arrepende e vai. Ele quer um filho sincero e que tudo faz por amor. Um filho amoroso que diz sim... e vai mesmo!

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Jorge Lorente, em Evangelho Dominical

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.