Por Vladimir Ribeiro Em Brasil

PGR defende que pente-fino do INSS é inconstitucional

Supremo Tribunal Federal já liberou o processo para julgamento

Divulgação
Divulgação
Para PGR trecho que limita em 10 anos para aposentados reclamarem de erros na concessão do benefício é inconstitucional


Um parecer da Procuradoria Geral da República (PGR) colocou em xeque parte da lei que criou o pente-fino do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS). De acordo com a PGR, o trecho que limita em 10 anos para aposentados reclamarem de erros na concessão do benefício é inconstitucional e restringe o direito à uma Previdência Social.

O parecer foi enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), que já liberou o processo para julgamento, mas ainda não marcou data para levar à plenário.

Já o INSS, junto com Advocacia Geral da União declararam em nota que confiam na decisão do Supremo em não reconhecer a inconstitucionalidade nas alterações defendidas pela Procuradoria Geral.

Segundo o INSS, o prazo para questionamento de ato administrativo do órgão não pode ser eterno e defendeu que o pente-fino não ataca o direito à Previdência Social.

O INSS reconheceu o direito de requerer uma revisão de benefícios dentro do período de 10 anos e criticou o uso da justiça para reclamar erros da previdência após este período. Enquanto não há decisão no STF sobre o parecer, o pente-fino do INSS continua valendo sem nenhuma alteração.

Da Mais News

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Vladimir Ribeiro, em Brasil

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.