Evangelho Dominical

31° Domingo do Tempo Comum

“Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa!”

Jorge Lorente

Escrito por Jorge Lorente

05 NOV 2023 - 00H00

Evangelho: Mt 5, 1-12

Ao ver a multidão, Jesus subiu ao monte. Quando sentou-se, os discípulos se aproximaram dele. Tomou a palavra e começou a ensinar: “Felizes os que têm espírito de pobre, porque deles é o reino dos céus. Felizes os que choram, porque serão consolados. Felizes os mansos, porque possuirão a terra. Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Felizes os puros de coração, porque verão a Deus. Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. Felizes os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Felizes sereis quando vos insultarem e perseguirem e, por minha causa, disserem todo tipo de calúnia contra vós. Alegrai-vos e exultai, porque grande será a vossa recompensa nos céus.

COMENTÁRIO

Hoje vamos falar de vida e de esperança. Neste evangelho, conhecido como o Sermão da Montanha ou das Bem-Aventuranças, Jesus chama de muito felizes, de bem aventuradas àquelas pessoas que nós chamamos de infelizes e desventuradas.

Não é fácil entender essas palavras de Jesus. Já pensou? Como pode um pobre, que não tem sequer onde morar, ser o dono do Reino dos Céus e, como pode ser chamado de feliz aquele que chora? Difícil de entender, porém uma coisa é certa, se tudo isso nos desagrada, a pobreza, o sofrimento, a fome e a sede, enfim, todas as coisas que nos angustiam, também não agradam a Deus.

Deus não fica nada satisfeito por nos ver mergulhados em sofrimentos e angústias. Deus não nos manda desgraças e tribulações. Ele não quer ver nenhum de seus filhos sofrendo e reservou, para cada um dos bem-aventurados, a plena felicidade na Glória Celeste.

Vamos nos ater em algumas das bem-aventuranças. A primeira proclama de felizes ou bem-aventurados, os pobres em espírito. Para nossa cultura, essa expressão pode parecer estranha e levar-nos a concluir que, esses “pobres” são pessoas sem cultura, atrasadas mentalmente ou que não possuem bens materiais.

Essa bem-aventurança não é dirigida para uma determinada classe social. Não é também uma mensagem de resignação e conformismo para aqueles que não fazem parte da alta-sociedade. Com suas palavras, Jesus não quer exaltar a pobreza, não está aprovando a miséria e, muito menos dizendo que todos os pobres são bem-aventurados.Leia Mais30° Domingo do Tempo Comum29° Domingo do Tempo ComumConvido todos para a festaA pedra rejeitada tornou-se a pedra angular

O pobre em espírito não é necessariamente aquele que não tem o que comer, nem aquele que não tem bens ou onde morar. O pobre que Jesus se refere é aquele que está ciente de sua pequenez diante de Deus. Aquele que não é arrogante, ambicioso e autossuficiente. Esse pobre é humilde, desapegado dos bens terrenos, e tem Deus como seu maior tesouro.

O espírito de pobreza não é exclusividade dos moradores da periferia. Nada impede que more em mansão quem tem espírito de pobreza. Para ser pobre em espírito, não é necessário andar maltrapilho. É preciso sim, recusar-se a viver uma vida farta sozinho. É necessário despojar-se dos excessos, é usar seus bens em favor dos menos favorecidos. Esse “pobre” sabe distribuir, paga salário justo aos seus funcionários e vive a caridade fraterna.

Jesus também chama de bem-aventurados os aflitos, os que sofrem e os que choram, pois serão consolados. Aqui se encaixam todos os bem-aventurados, pois certamente, Deus irá consolar todos os que choram, os mansos, os pobres, os misericordiosos, enfim, Deus irá consolar todos que sofrem por amor.

É muito difícil entender o que significa sofrer por amor, porque amor está relacionado com alegria, amor é sinônimo de felicidade. No entanto, dor e cruz também estão relacionados com amor, pois foi por amor que Jesus se submeteu ao martírio e se deixou crucificar. Dor, resignação e cruz, são palavras que rimam com Jesus, são caminhos que levam à Verdadeira Luz.

Felizes os misericordiosos, os mansos e puros de coração, os que promovem a paz, que têm fome e sede de justiça e que por isso, são perseguidos e injuriados. Em todas essas bem-aventuranças se encaixam os missionários, evangelizadores, catequistas, líderes classistas e, até mesmo, alguns raríssimos homens públicos e políticos que lutam por um mundo melhor e por uma justa distribuição de renda.

Hoje, Jesus dá esperança para aqueles que tiram do lixo o sustento de suas famílias e também chama de bem-aventurados os pais desempregados, as vítimas da globalização, os índios expulsos de suas terras, os favelados, os aposentados, os sem-terra e sem teto. Todos serão consolados e receberão uma grande recompensa no céu. O pobre Lázaro (Lc 16,19-31) é um bom exemplo dessa verdade.

Escrito por
Jorge Lorente
Jorge Lorente

Locutor da Rádio Imaculada, colunista e escritor de vários livros consagrados. Seu último lançamento foi a obra "Maria, mãe e mulher".

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto