Perfume de Francisco

São Francisco e a devoção mariana

A centralidade de Jesus para o santo é um meio de se inserir na dinâmica trinitária

Frei Sebastião (Arquivo MI)

Escrito por Frei Sebastião Benito Qualio

04 OUT 2022 - 00H00

Divulgação

Esta visão mística de Francisco realça o sentimento em relação ao amor de Deus que quer salvar todos os homens. Por isso, todos são irmãos e até as criaturas fazem parte desta dinâmica de amor. A figura da Virgem Maria está, para Francisco, em estreita relação com o projeto de salvação que Deus tem para os homens, bem como em relação próxima com a Santíssima Trindade e a Igreja.

São Francisco de Assis realiza seu caminho de fé dentro da doutrina católica. Não cria, nem inventa, mas aprofunda suas raízes no sólido ensinamento da Igreja. Ele alimentava sua fé da Eucaristia e da Palavra de Deus e vivia também com fervor as devoções, peregrinações e liturgias. Inclusive sua devoções marianas, como a Santa Maria dos Anjos, continham a marca da centralidade de Cristo e da salvação dos homens.

A espiritualidade mariana parte da contemplação da Encarnação de Jesus. A obediência de Maria a Deus é compreendida como atitude mística. O abandono e a confiança de Maria nas mãos de Deus são vistos como o esvaziamento, semelhante ao de Jesus, em função da salvação. Quando o santo se dispõe a viver segundo a forma do santo Evangelho, ele também se esvazia de seus projetos e construções para se confiar em Deus e, sob certo aspecto, encarnar a Palavra divina. Esta visão de Maria a partir da encarnação com o objetivo de salvação das pessoas é um ponto central da identidade mariana para São Francisco.

Maria foi entregue por Cristo à Igreja na hora em que cumpria de forma definitiva o projeto de Deus, ou seja, na cruz (Jo 19,26). Ela, como esposa do Espírito Santo, desde a anunciação é também aquela que tem atitude consoladora no seio eclesial, no início da Igreja, para que todos possam experimentar a “plenitude da graça e verdade” (Jo 1,14) revelada, vivida e instaurada por Jesus Cristo.

Fonte: Jovem Mílite

Escrito por
Frei Sebastião (Arquivo MI)
Frei Sebastião Benito Qualio

Frei Sebastião Benito Quaglio nasceu em 20 de julho de 1938, em Lendinara, no norte da Itália. Recebeu o nome de batismo Benito Quaglio e, quando emitiu os votos religiosos na Basílica de Santo Antônio (Padova), em 1958, recebeu o nome do mártir São Sebastião. O desejo de evangelizar com Nossa Senhora através dos meios de comunicação sempre permeou sua vida e foi na obra de São Maximiliano Kolbe que ele encontrou um ideal a ser seguido: conquistar o mundo inteiro a Cristo pela Imaculada!

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Espiritualidade, em Perfume de Francisco

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.