Por Espiritualidade Em São Maximiliano Kolbe

A penitência quaresmal

Escrevendo para os leitores da revista Cavaleiro da Imaculada em março de 1923, São Maximiliano explicou um tema que cabe bem à atualidade Escrito de São Maximiliano Kolbe número 1028




Em Zakopane, uma estudante universitária me mostrou um folheto do senhor William Rose, conhecido em Cracóvia, sobre o YMCA e, referindo-se a uma crítica minha, me disse: “Eu não vejo nada de mal”. Eu peguei o opúsculo e o examinei com certa rapidez. O autor, mesmo tendo declarado que queria deixar as questões dogmáticas “aos especialistas, aos sacerdotes”, não as deixou em absoluto. Na realidade, observei que naquele opúsculo se ensinava que a remissão dos pecados se obtém por meio da oração e, mais adiante, afirma que na Idade Média os fiéis erravam ao mortificar os próprios corpos.

Tive a oportunidade de falar sobre este assunto com um pastor protestante na cidade de Nieszawa. Também ele se horrorizava diante da penitência, e quando o fiz notar que São Paulo confessa: “Castigo o meu corpo e o mantenho em servidão, para que não aconteça que, depois de ter pregado aos outros, venha eu mesmo a ser excluído” (1Cor 9,27), respondeu-me que estas coisas foram realizadas somente por São Paulo, mas que os outros não são obrigados a imitá-lo.

Também nos nossos dias muitos desejariam abolir toda mortificação, já que o degradado mundo de hoje procura a felicidade nos prazeres passageiros, sensuais e frequentemente pecaminosos.

Contudo, a penitência não é somente um privilégio exclusivo de São Paulo, nem um “erro” da Idade Média, mas um dever, um precioso dever de todos, pois não há ninguém sem pecado. E não começaram a praticar penitência nos séculos da Idade Média, pois desde os primeiros séculos da Igreja, os fiéis refreavam seus próprios corpos, obedientes aos preceitos de Cristo.

O próprio Jesus Cristo jejuou por quarenta dias no deserto e recomendou fazer penitência sob ameaça de perdição: “Se não fizerdes penitência, perecereis todos do mesmo modo” (Lc 13,5). São Pedro ensinava no templo: “Fazei penitência e convertei-vos, para que os vossos pecados sejam cancelados” (At 3,19).

Nós, membros da Milícia da Imaculada, sempre que possível, devemos observar o santo jejum com um fervor maior, porque a mortificação é uma potência que, junto com a oração, obtém as graças divinas, purifica a alma, a inflama de amor a Deus e ao próximo, e submete amorosamente as almas a Deus, por meio da Imaculada.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Espiritualidade, em São Maximiliano Kolbe

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.