Por Silvia Cunha Em Igreja Atualizada em 13 FEV 2019 - 10H59

Martírio de João Batista: a vida doada só por amor

Papa Francisco, na homilia da Missa de hoje, meditar sobre personagens da história do martírio de João Batista

Vatican News
Vatican News
Papa Francisco medita sobre personagens da história do martírio de João Batista



Nesta sexta-feira, dia 8, o Papa Francisco celebrou missa na capela da Casa Santa Marta. O martírio de João, “o maior homem nascido de mulher” segundo Jesus, é um grande testemunho: a vida tem valor somente na doação ao outros, “no amor, na verdade, na vida cotidiana, na família”.

A passagem bíblica que deu origem à reflexão do Santo Padre é extraída de São Marcos, e trata da decapitação de São João Batista.

Quatro personagens nos quais o Senhor nos fala - O Pontifíce chama à abertura de coração para que o Senhor nos fale. Há quatro personagens: o rei Herodes “corrupto e indeciso”, Herodíades, a mulher do irmão do rei, “que sabia somente odiar”, Salomé, “a bailarina vaidosa”, e “o profeta decapitado solitário na prisão”.

João nos aponta Jesus - “O maior terminou assim”, comentou o Papa. “Mas João sabia, ele sabia que deveria se aniquilar”. Ele o havia dito desde o início, falando de Jesus: 'Ele deve crescer, eu, ao invés, diminuir'. E ele diminuiu até a morte”.

Segundo o papa, Batista foi o precursor, o anunciador de Jesus, que disse “Não sou eu, este é o Messias”.

“Ele o mostrou aos primeiros discípulos e depois a sua luz se apagou aos poucos, até a escuridão daquela cela, na prisão, onde, solitário, foi decapitado", lembrou.

O martírio é um serviço - "Mas por que isso aconteceu?", perguntou Francisco. “A vida dos mártires não é fácil de contar. O martírio é um serviço, um mistério, é um dom da vida muito especial e muito grande”. E, no final, as coisas se concluem violentamente, por causa de “atitudes que levam a tirar a vida de um cristão, de uma pessoa honesta, e a fazê-lo mártir”.

O rei corrupto que não consegue mudar de vida - O Santo Padre então analisa as ações dos três protagonistas do martírio.

Antes de tudo, o rei, que “acreditava que João fosse um profeta, o ouvia de bom grado”, a um certo ponto “o protegia”, mas o mantinha na prisão. Estava indeciso porque João “repreendia o seu pecado”, o adultério.

"No profeta, Herodes ouvia a voz de Deus, que lhe dizia: ‘Muda de vida’, mas não conseguia fazê-lo. O rei era corrupto, e onde há corrupção, é muito difícil sair”, explicou.

Um corrupto que “buscava equilíbrios diplomáticos” entre a própria vida, não só adúltera, mas também de “tantas injustiças que levava em frente”, e a sua consciência, “que sabia que aquele homem era santo”. E não conseguia desfazer o nó.

A mulher que tinha o espírito satânico de ódio - Então o Pontífice fala de Herodíades, a mulher do irmão do rei, morto por Herodes para ficar com ela. O Evangelho nos diz que ela somente que "odiava" João porque dizia as coisas claramente.

"E sabemos que o ódio é capaz de tudo é uma grande força. O ódio é o sopro de satanás. Pensemos que ele não sabe amar, não pode amar. O seu 'amor' é o ódio. E essa mulher tinha o espírito satânico do ódio que destrói", observou.

O rei diz a Salomé: "Eu te darei tudo", como Satanás - Por fim, o terceiro personagem, a filha de Herodíades, Salomé, brava em dançar, "que agradou tanto aos convidados, como ao rei". Herodes, naquele entusiasmo, promete à moça "Eu te darei tudo".

"Usa as mesmas palavras que usou Satanás para tentar Jesus. 'Se você me adorar eu lhe darei tudo, todo o reino'. Mas Herodes não o podia saber: Por detrás desses personagens está satanás, semeador de ódio na mulher, semeador de vaidade na moça, semeador de corrupção no rei. E o 'maior homem nascido de uma mulher' acabou sozinho, em uma cela escura da prisão, por capricho de uma dançarina vaidosa, o ódio de uma mulher diabólica e a corrupção de um rei indeciso. É um mártir, que deixou sua vida diminuísse, diminuísse, diminuísse, para dar lugar ao Messias", falou.

O testemunho de um grande homem e grande santo - João morre ali, na cela, no anonimato, "como tantos dos nossos mártires", comentou o Papa. O Evangelho diz somente que "os discípulos foram pegar o cadáver para sepultá-lo".

"Pensemos todos, acrescenta o Papa, que este é um grande testemunho, de um grande homem, de um grande santo: A vida só tem valor no doá-la, no doá-la no amor, na verdade, no doá-la aos outros, na vida cotidiana, na família. Sempre doá-la. Se alguém pega a vida para si mesmo, para guardá-la, como o rei em sua corrupção ou a senhora com o ódio, ou a menina, a jovem com sua própria vaidade - um pouco adolescente, inconsciente - a vida morre , a vida acaba murchando, não serve. João deu a sua vida: 'Eu, pelo contrário, devo diminuir para que Ele seja ouvido, seja visto, para que Ele se manifeste, o Senhor':

Eu só aconselho a vocês a não pensarem muito sobre isso, mas de recordar a imagem, os quatro personagens: o rei corrupto, a senhora que só sabia odiar, a jovem vaidosa que não tem consciência de nada, e o profeta decapitado, sozinho em uma cela. Olhar para isso, e cada um abra o coração para que o Senhor lhe fale sobre isso", completou o Papa.

Com informações do Vatican News.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Silvia Cunha, em Igreja

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.