O ritual que ficou para a posteridade foi o ritual de Roma, que permaneceu no latim até o Concílio Vaticano II, que permitiu sua edição em língua vernácula.
Por Paulo Teixeira Em Liturgia é Vida Atualizada em 03 MAI 2019 - 11H41

O Missal Romano

O ritual que ficou para a posteridade foi o ritual de Roma, que permaneceu no latim até o Concílio Vaticano II, que permitiu sua edição em língua vernácula.


Por Padres Antônio Bogaz, Rodinei Thomazella e Professor João Hansen , da Família de São Luís Orione

Na segunda parte do primeiro milênio, os sacramentários foram divididos por sacramentos. Donde o missal passou a ser o livro completo para a celebração da ceia eucarística, excetuando somente a liturgia da palavra, que se editou em lecionários. São muitos os rituais, mas destacamos, sobretudo, o missal romano, que foi imposto pelo Papa Gregório VII para toda a Igreja cristã do Ocidente. 

Divulgação
Divulgação
Missal Romano


Estes rituais variados traziam todas as partes da missa, para as várias tradições latinas. Ficaram conhecidos os rituais Galicano (da Gália, atual França), Moçarábico (da Espanha) e Ambrosiano (de Milão).

O ritual que ficou para a posteridade foi o ritual de Roma, que permaneceu no latim até o Concílio Vaticano II, que permitiu sua edição em língua vernácula.

O ritual atual é chamado de ritual de Paulo VI, promulgado em 3 de abril de 1967, na vigília pascal pelo Papa São Paulo VI. Este ritual, editado em latim como língua de base, foi entregue a todas as conferências episcopais do mundo inteiro, para que pudesse ser traduzido e adaptado. No Brasil, o ritual foi enriquecido com novas orações eucarísticas, novos prefácios e algumas festas importantes para nossa nação. É uma das maiores riquezas de nossa Igreja e nos permite viver o mistério eucarístico em sua grandeza universal e em nossa realidade sócio-cultural particular. De fato, o ritual sustenta a unidade entre todas as Igrejas particulares do mundo inteiro e permite contemplar a particularidade de cada povo e suas culturas. O missal é o instrumento que nos abre para celebrar a ceia do Senhor e colher seus frutos para nossa vida.

É preciso conhecer o ritual, pois ele nos permite celebrar bem a ceia eucarística. Não podemos permitir que o ritual seja uma “camisa de força” para a celebração de um mistério tão grande de nossa fé. Por outro lado, sabemos que o ritual serve para unificar a assembleia que celebra. Se não for assumido com obsessão fixista, o ritual nos adentra no mistério pascal do Cristo e nos permite viver a plenitude da ceia do Senhor.

Conhecer as partes deste ritual nos levará sempre mais a cumprir o sonho do Concílio Vaticano II, na sua constituição sobre a liturgia, a Sacrosanctum Concilium: que o nosso povo celebre sempre mais com participação ativa, consciente e frutuosa. Afinal, a missa é o ritual onde o Cristo se encarna em nossos corações, para que nele entremos em comunhão com a Santíssima Trindade e vivamos como “cristãos eucaristizados”.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Últimas Velas dos Mílites
Vejas as últimas velas que os Mílites acenderam em nosso portal online
  • Pela alma de Fernanda Young, força ao...

    Jonas

  • Pelas almas de Fernanda Young, Muito ...

    Jonas

  • mae passa na frente,afastai para long...

    edmar francisco de paula

  • Pela cura e libertação do meu filho L...

    Luciana

Receba todas as novidades

Parabéns, seu cadastro foi efetuado com sucesso!
Você deve receber nossas novidades em breve.

Ops, tivemos um possível erro no cadastro de seu e-mail.
Tente novamente por favor.

Tentar novamente

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Paulo Teixeira, em Liturgia é Vida

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.