Por Frei Sebastião Benito Quaglio Em A Santa Missa

Buscar a vida eterna

Pixabay
Pixabay


O Frei Sebastião Benito Quaglio (OFMConv) presidiu hoje a Santa Missa, no Santuário Imaculada Conceição e São Maximiliano Maria Kolbe, em São Bernardo do Campo, São Paulo, e comentou a Primeira Leitura (At 14,19-28) e o Evangelho de hoje (Jo 14,27-31a).

Em sua homília, Frei Sebastião lembra que maio é o mês dedicado a Nossa Senhora e que deve sérum tempo de oração, purificação, generosidade e amor. Hoje nas leituras vemos o caminho da evangelização. É impressionante como não existem dificuldades que impeçam esses homens de levar Jesus.

Paulo foi levado para fora da cidade e apedrejado. Ee se levantou e entrou na cidade. Algo incrível que parece fantasia, mas o homem quando tem fé em Deus nada o impede de caminhar. A fé arrebenta, a fé vence.

Hoje temos Jesus nos seus últimos tempos com seus apóstolos. Ele fala de paz, porém o itinerário Dele de paz é de entrega da Sua vida até a própria morte de cruz.

Isso não foi a Sua derrota, mas foi a conquista da sua meta. Cristo venceu, Ele derrotou a morte com a sua Ressurreição. A paz de Cristo é a vitória de quem vive com Ele e não desisti, não tem medo da cruz, sabendo que ela existe, mas que não vai arrebentá-lo.

Por meio da cruz vamos ressuscitar e o príncipe deste mundo, como chamou Jesus, o demônio, o mal, aquele que luta para que o homem não se salve, aquele que luta com a inteligência superior dos homens, possa sucumbir e ser derrotado.

Por isso que devemos ter o Espírito Santo, para que ele nos ilumine e possamos combater as obras do mal, que às vezes se revestem, são lobos vestidos de cordeiro.

Então a paz de Cristo é a nossa paz, a nossa luta. É por isso que Ele fala: “a minha paz não é como o mundo a prega”. Portanto não devemos ter medo. Porém seria uma mentira dizer que não teremos dificuldades. Eu também tenho as minhas, mas eu aprendi que o atleta corre para chegar lá no final da corrida, na sua meta.

Por isso temos que ter a fé, o amor e a dinâmica, e como meta a esperança. Um atleta não poupa esforços, porque ele quer atingir o seu objetivo. É a meta que vale o todo o sacrifício.

Nossa meta é Cristo, a nossa meta é a vida eterna. Estamos em uma corrida com Jesus, não devemos nos entregar nunca, vamos nos sentir envolvidos nesta luta, nesta corrida com Jesus, não devemos nos entregar nunca. O sofrimento existe, mas o amor supera tudo!

Transcrição Marta Romero






Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Frei Sebastião Benito Quaglio , em A Santa Missa

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.