Por Frei Aloísio Oliveira Em Lendo o Evangelho

Batismo do Senhor

“O céu se abriu”




Lucas apresenta o batismo do Senhor com um cenário inteiramente próprio. O centro do episódio é a proclamação da identidade messiânica de Jesus por uma revelação celeste, testemunhada por numerosa multidão de judeus. O ato do batismo é ligeiramente mencionado e toda a atenção se volta para a manifestação divina: o céu se abrindo, o Espírito Santo descendo sobre Jesus, em forma visível de uma pomba, e a voz celeste proclamando: “Tu és meu filho amado, em ti me comprazo”.

Com isso, fica claro que o batismo que Jesus recebeu não é reconhecimento dos próprios pecados e pedido de perdão, como todos que eram batizados por João Batista. No caso de Jesus, o batismo manifesta sua vocação profética e sua missão de Messias enviado por Deus, como é confirmado pela voz divina e pela descida do Espírito Santo. É o momento de sua investidura, isto é, doravante, Jesus de Nazaré está confirmado como Messias e autorizado a iniciar sua missão pública de pregar o Reino de Deus.

A manifestação divina com a abertura do céu, ocorrida durante a oração de Jesus, além de testemunhar a íntima comunhão d’Ele com o Pai, indica que a comunicação entre o mundo de Deus e o dos seres humanos foi restabelecida.

Jesus é o Filho de Deus que caminha entre os seres humanos, movido pela força do Espírito Santo, presente n’Ele desde a concepção (cf. Lc 1,35). Assim, não só Jesus está envolvido em sua atividade pública, mas também o Pai e o Espírito Santo. A plenitude da graça salvadora de Deus tornou-se acessível mediante a missão de Jesus. Daí o testemunho de João ao declarar que seu batismo com água é apenas o ministério incompleto de um servo, indigno de desamarrar as correias das sandálias d’Aquele que batizará com o Espírito Santo e com fogo (cf. Lc 3,16).

Tal expressão pode indicar a comunicação do Espírito Santo que, em Pentecostes, descerá sobre os apóstolos em forma de línguas de fogo (cf. At 2,1-13), mas também que Jesus, como Messias Enviado, possui autoridade para realizar o juízo.

Ele vai realizar uma separação decisiva, recolhendo o trigo no celeiro e queimando a palha no fogo inextinguível. Isso significa que a missão de Jesus não é mais um anúncio profético entre outros. Nela culminou a revelação divina, que obriga todos a tomarem posição.

Escrito por
Frei Aloísio, Ministro Provincial
Frei Aloísio Oliveira

É Ministro Provincial da Província São Francisco de Assis dos Frades Menores Conventuais e especialista em Sagrada Escritura.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Espiritualidade, em Lendo o Evangelho

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.