Por Vladimir Ribeiro Em Noticias

Bispos do mundo com o Papa pelo desarmamento nuclear

Líderes da Igreja católica de todo o mundo expressam, em documento, satisfação pelo Tratado das Nações Unidas sobre a Proibição de Armas Nucleares

Divulgação
Divulgação
Missa do Papa em Nagasaki, no Japão, em novembro de 2019


“A pior de todas as armas de destruição em massa há muito tempo tem sido considerada imoral. Agora também é finalmente ilegal.” Com estas palavras, os bispos católicos de todo o mundo, da Europa ao Japão, das Filipinas à Terra Santa e à África do Sul, junto com leigos, religiosos e religiosas de cerca de 20 países, acolhem com alegria a entrada em vigor, nesta sexta-feira (22), do Tratado aprovado em 2017, que torna ilegal o uso, a ameaça, a posse e o armazenamento de armas atômicas.

“É encorajador”, escrevem os bispos, que “a maioria dos Estados membros das Nações Unidas apoiem ativamente o novo tratado através da adoção, assinaturas e ratificações” e que as pesquisas mostram que a opinião pública está convencida de que as armas nucleares devem ser abolidas. Mas a preocupação expressa pelos prelados diz respeito aos riscos que permanecem de um possível uso, cujas consequências são catastróficas para a humanidade e o meio ambiente, como o Papa também lembrou na Audiência Geral da última quarta-feira (20).

“Dois exemplos que falam a todas as pessoas são os impactos desproporcionais das radiações nas mulheres e meninas e os graves efeitos nas comunidades indígenas cujas terras foram usadas para testes nucleares”, escrevem os bispos.

Com o Papa na condenação da energia nuclear como arma de guerra

Os bispos reiteram seu apoio ao papel de liderança desempenhado pelo Papa neste âmbito, com suas contínuas intervenções pelo desarmamento, e recordam a histórica visita de 2019 às cidades bombardeadas de Hiroshima e Nagasaki com a condenação feita pelo Pontífice “à posse de armas nucleares por qualquer Estado”. “A paz não pode ser alcançada através da ameaça de aniquilação total”, recordam os prelados, citando Francisco. É necessário apoiar “os principais instrumentos jurídicos internacionais de desarmamento nuclear e não proliferação, incluindo o Tratado das Nações Unidas sobre a Proibição de Armas Nucleares”.

A voz dos bispos é única ao encorajar a cooperação internacional, “essencial”, para enfrentar não apenas a ameaça da pandemia, as mudanças climáticas e o abismo entre ricos e pobres, mas também a “ameaça universal das armas nucleares”. Todos juntos, de qualquer proveniência, mesmo de países que possuem arsenais nucleares ou que fazem fronteira com eles, exortam “os governos a assinar e ratificar o Tratado”, agradecendo aos que já o fizeram.

O esforço da Igreja: verificar e desinvestir

Os bispos convidam os colegas líderes da Igreja para “discutirem e deliberar sobre o papel significativo que a Igreja pode desempenhar no apoio a esta nova norma internacional contra as armas nucleares”. “É particularmente importante para as Conferências episcopais nacionais e regionais, assim como para as instituições e fundações católicas, verificar se os fundos relativos à Igreja estão sendo investidos em empresas e bancos envolvidos na produção de armas nucleares. Em tal caso, tomar medidas corretivas, pondo fim às relações de financiamento existentes e buscar maneiras de desinvestir”, escrevem os bispos católicos.

“Acreditamos que o dom da paz de Deus está em ação para deter a guerra e superar a violência. Portanto, neste dia histórico, parabenizamos os membros da Igreja católica que durante décadas estiveram na vanguarda dos movimentos de base que se opõem às armas nucleares e aos movimentos católicos pela paz que fazem parte da Campanha Internacional para Abolir as Armas Nucleares (Ican), vencedora do Prêmio Nobel”, concluem os prelados.

Fonte: Vatican News

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Vladimir Ribeiro, em Noticias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.