Por Eduardo Galindo Em Psicologia Atualizada em 08 OUT 2020 - 16H20

Combate ao vírus

O equilíbrio emocional é a melhor escolha em tempos difíceis

Divulgação
Divulgação


O ser humano se desenvolve quando escolhe o caminho da saúde e do bem-estar pessoal e social.
Esta escolha não é fácil para a maior parte das pessoas, pois exige uma postura ética e atitudes para encontrar o equilíbrio emocional que precisamos para diversas situações da vida.

A pandemia da Covid-19 está mobilizando todo o planeta. Em todo país, as medidas governamentais para conter a disseminação estão quebrando a rotina e o estilo de vida, além de causar grande preocupação. No entanto, não se deve esquecer que essas medidas e diretrizes visam proteger melhor a população e ter em mente que esse episódio, embora muitas vezes difícil, é temporário.

Alguns estudantes se adaptam melhor às aulas online, outros não. Para algumas pessoas estar em quarentena é positivo: dormem mais, não têm que ir trabalhar, comem comida caseira, estão com tempo livre para conviver com a sua família.

Outras pessoas não suportam a quarentena e o distanciamento, quebram as regras sociais. Geralmente são pessoas com excesso de confiança, que acham que “isso não vai acontecer comigo”; outras apresentam atitude desafiadora e de rebeldia dizendo “ninguém me diz o que eu preciso fazer”; outros de negação, ou os paranoides que acham que é tudo uma invenção para que os poderosos se aproveitem dos trabalhadores; existem os irresponsáveis e negligentes também.

Também encontramos pessoas que partilham nas suas redes sociais a “teoria da conspiração”, que é uma manifestação de desconfiança e, portanto, de medo. Quando você enfrenta pessoas que são habitadas por medos persecutórios, é importante lembrar que você está na presença de uma pessoa que tem medo. Não adianta confrontá-la sobre os fatos, muito menos sobre a sua opinião. Confronto cria mais atitude defensiva e desconfiança. Você pode oferecer o seu apoio à pessoa que cultiva esse pensamento e lembrá-la de que ela é responsável por criar condições de segurança emocional na sua vida.

Neste contexto atual, é frequente sentir: medo, estresse, ansiedade; quando confrontadas com uma ameaça, o medo permite que as pessoas tomem medidas para se defender; o isolamento é frustrante e pode gerar raiva, tristeza e desamparo, principalmente porque muitos estão confinados em casa com seus filhos e privados de atividades e contatos sociais.

Em breve se encontrará a vacina para o vírus. Mas espero que nos conscientizemos de que a imunidade emocional é essencial para enfrentar os desafios. É importante procurar ajuda profissional para lidar com as emoções neste período.

Algumas dicas para gerenciar melhor essa crise

Obtenha informações de fontes oficiais, mas evite a superexposição a notícias e mídias, pois o cérebro muito exposto fica mais ansioso; fique em contato com as pessoas que fazem sentir-se bem (por telefone ou internet); cultive empatia e bondade com amigos e familiares; pratique exercícios de relaxamento, meditação e respiração.

Escrito por
Eduardo Galindo (Divulgação)
Eduardo Galindo

Psicólogo Clínico, especialista em Psicoterapia Breve. Suas áreas de atuação são psicoterapia de adultos, grupos e casal, workshop, e assessorias de grupos e palestras.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Eduardo Galindo, em Psicologia

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.