Por Ana Carolina Sofiati Em Colunista

Felizes sempre

Maio, o mês das noivas! Que mês lindo e cheio de esperança




É difícil falar sobre alguns assuntos sem mencionar costumes e gerações anteriores à nossa. O casamento é um deles! Lembro que quando eu era mais nova vi minhas tias, primas e até colegas de caminhada realizando o grande sonho de casar na Igreja, com direito a festas luxuosas e lua de mel em lugares bonitos.

São momentos tão legais que ficam em nossa memória. Mas o que vem depois do grande dia? O “felizes para sempre” existe para todos nós ou está limitado às princesas dos contos de fadas, em que fomos educadas a acreditar ao longo da vida?

Dados do IBGE mostram que os brasileiros estão se casando cada vez menos, em um ano esse número teve uma redução de 2,7%. Parece pouco, mas significa que mais de 1 milhão de pessoas não se casaram entre os anos de 2018 e 2019.

O que será que está acontecendo com nossa geração? A questão é que uma vida a dois não é um conto de fadas em que você tem animaizinhos que ajudam você a realizar as tarefas da casa, nem um palácio com muita riqueza para você desfrutar.

A vida real é bem mais complicada. E o “felizes para sempre” existe, é real, mas é complexo. Primeiro porque, vamos imaginar, duas pessoas saem da casa dos pais e vão morar juntas, assim meio de repente. Cada uma foi criada de uma maneira, cada uma com um temperamento, uma história de vida, um costume diferente da outra. Há conflitos homéricos sobre deixar toalha molhada sobre a cama, tem sim. Outro fato complexo é que sustentar uma casa não é fácil para ninguém. Nossos pais foram heróis e temos que reconhecer isso.

Há também a difícil questão da expectativa com relação a uma vida a dois. Vemos casais tão unidos, equilibrados e felizes que esquecemos que quem está ao nosso lado é humano, que traz questões de sua história que não podemos mudar, que eu não tenho o direito de querer que o outro mude para se encaixar nas minhas expectativas e que eu também não posso fazer isso por ele.

O grande dia do casamento traz grandes desafios para todos os outros dias da vida a dois.É um caminho de construção. Ser felizes para sempre não é algo de final de livro ou de filme, mas, pelo esforço cotidiano buscamos ser felizes sempre.





Escrito por
Ana Carolina Sofiati
Ana Carolina Sofiati

Ana Carolina Solfiati é formada em Serviço Social. Especializada em gestão de projetos sociais e produtora de conteúdo para redes sociais. Com desejo de fazer o bem a mais pessoas, atua diretamente no projeto "Essa tal terapia" que leva esclarecimentos básicos sobre psicologia e autoconhecimento.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por MI, em Colunista

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.